Monthly Archives: Setembro 2008

OOPS

500 visitas no nosso blogue.

Obrigado a todos(as). Os textos e as tertúlias vão continuar.

Anúncios

A Vida de um TERTULIANO

Normalmente o TERTULIANO acorda cedo… uns mais cedo que outros!

Todos os TERTULIANOS que eu conheço, costumam tomar o pequeno almoço!

No meu caso acabo com um cigarrinho ( maldito vício, que não me larga!).

Depois de relaxar um pouco (alguns!) está na hora de agarrar um transporte…

Uns vão de METRO, outros vão de CARRO!

Hora de emprego… Quase sempre stressante!

…Mesmo assim, vamos arranjando algum tempo para pensar na próxima TERTÚLIA!

Tarde feita ( às vezes bem tarde!), deixamos o emprego… e, regressamos a casa!

Eu costumo ainda, ir buscar a minha filha… Quero acreditar que tem futuro!

Quando se justifica, telefonamo-nos uns aos outros ou, às vezes, ficamos por um sms ou até um email!

Quando chegamos a casa, fazemos o balanço do dia…

Será que o MUNDO ainda está na mesma? Esta é a grande pergunta… e, a DEMOCRACIA?

Um e outro andam de mãos dadas…

O mundo sem a DEMOCRACIA e a DEMOCRACIA sem o mundo não fariam muito sentido.

É por isso que ainda temos uns quantos recantos sem sentido…

Felizmente são poucos!

Depois de dar uma vista de olhos pelos jornais, de consultar uns quantos blogs e de ouvir umas quantas coisas, toca a escrever um pouco!

É precisamente o que estou a tentar fazer agora!

Não é preciso que se digam muitas coisas sérias… Disso está o mundo cheio…

É preciso sim, que, com um sorriso, possamos ser suficientemente críticos e atentos às metamorfoses do mundo… e, estas são constantes, mas nem sempre muito visíveis, nem sempre muito agradáveis!

Neste momento andamos atentos aos colapsos das ECONOMIAS…

Primeiro na América, com o chumbo do plano financeiro de BUSH… Kevin Lamarque/ReutersE, agora mais perto de nós com a queda de alguns bancos Europeus.

Os Governos da Europa, vêem-se na necessidade de intervir, por forma a evitar o pior, para evitar a falência dos seus grandes bancos… Foi o caso da Alemanha que teve de arranjar maneira para injectar 35 mil milhões de euros para salvar da falência, o Hypo Real… (Não se trata de nenhuma espécie em risco de extinção…Não navegamos no mundo da zoologia!… Os ambientalistas que me perdoem, mas antes fosse!)

…Ou da Inglaterra, que teve de intervir com fundos públicos para salvar os seus grandes bancos!

…Já falei da Bélgica?… Então, não era para esquecer!

Já se fala, no fim de uma economia de mercado tal como a conhecemos…É no fundo a tal crise do “free of choice”, ou se quisermos, numa linguagem mais mundana, a falência das ideias neoliberais

Eu nunca dei muito pelos neoliberais…Esta, para mim, era já, uma crise anunciada…

A minha preocupação é outra… A minha preocupação é a DEMOCRACIA QUE FUTURO

…A minha preocupação são as pessoas!

O capitalismo desregrado, sem reguladores externos, está a mostrar os efeitos de ter levado as economias aos limites – com a crise do petróleo e da política de preços dos combustíveis, parece-me que estes limites foram claramente ultrapassados!- das equações deterministas…

Parece-me que é dado assente, que o que funciona equilibradamente dentro de determinados universos e com um conjunto definido de variáveis, acaba por falhar se alterarmos significativamente os valores dessas mesmas variáveis…

A Natureza, incluindo a natureza humana, não é como pensamos, naturalmente equilibrada e ordenada… Um conjunto de variáveis definidas, não se traduzem necessáriamente num conjunto pré-determinado de resultados.

Estas variáveis são, mais ou menos, afectadas por um universo de pequenas variáveis, muitas das vezes, inquantificáveis, que acabam por afectar resultados e traduzir comportamentos desajustados com o esperado…

Não sei, se as economias tradicionais vão encontrar nos seus manuais, soluções para o problema que têm nas mãos!

…Já não tenho dúvidas, que deram conta do erro!

Há uns dias atrás, alguém de quem prezo muito a opinião, recordava-me os últimos  94 anos da história da EUROPA…

Dizia-me ele,que temos já os ingredientes todos… O que será que pode vir então a ser cozinhado?

Não quero assustar, nem assustar-me…Mas que o momento é de reflexão profunda, disso não tenhamos dúvidas!

Já se ouvem uns rumores

Os adversários da DEMOCRACIA , andam, perigosamente, a organizar-se por esta EUROPA.

Reflectir sobre estas matérias, torna-se um exercício importante para cada um de nós, enquanto CIDADÃOS!

Entretanto, nós por cá, insistimos na calma e, na ideia, de que tudo isto são coisas dos outros (dos “abroad”)…

…Se ficarmos sossegados e caladinhos, pode ser que a crise nos passe ao lado!

Eu até gostava de acreditar…Mas será mesmo assim?

Ulisses Neves Pinto

O que realmente há de errado com a economia dos EUA- Uma Explicação de BUSH…

On September 24th, 2008, President Bush began his explanation of what went wrong with the economy with the following…


First, how did our economy reach this point?

Well, most economists agree that the problems we are witnessing today developed over a long period of time. For more than a decade, a massive amount of money flowed into the United States from investors abroad, because our country is an attractive and secure place to do business. This large influx of money to U.S. banks and financial institutions — along with low interest rates — made it easier for Americans to get credit. These developments allowed more families to borrow money for cars and homes and college tuition — some for the first time. They allowed more entrepreneurs to get loans to start new businesses and create jobs.

” Primeiro, como é que a nossa economia atingiu este ponto?

Bem, a maior parte dos economistas concordam que os problemas que nós testemunhamos hoje, desenvolveram-se durante um longo período de tempo. Durante mais de uma década, uma massiva quantidade de dinheiro, fluiu nos EUA, de investidores estrangeiros, porque o nosso país é um sítio seguro e atractivo para os negócios. Este grande influxo de dinheiro para os bancos dos EUA e instituíções financeiras – em simultâneo com taxas de juro baixas – tornaram fácil o recurso ao crédito pelos Americanos. Estes desenvolvimentos permitiram que mais famílias pedissem emprestado dinheiro para carros e casas e colégios e propinas – alguns pela primeira vez. Permitiram que mais investidores conseguissem empréstimos para começar novos negócios e criassem empregos.

( tradução livre e adaptada) retirado do blog “Grand Rants

Não sou economista, nem sou licenciado em finanças e não devo nada à gestão ( exclui-se com as devidas adaptações a cá da casa!), mas esta interpretação da crise económica dos EUA parece-me uma pérola…

É caso para dizer Aes debitorum leve, grave inimicum facit

Estava a pensar nas nossas crises… Será que têm a mesma explicação?

Deixo a pergunta no ar…

Ulisses Neves Pinto

Os Estados, as marcas e os Estados-marca

É verdade que o tema não está já tanto na berra, mas provavelmente voltará quando outro livro, ou outro “prós e contras” ou outros senhores do marketing político se lembrarem e portanto vou já adiantando serviço!

Como vos dizia, aqui há uns meses ouviu-se e viu-se um debate de ideias sobre a marca “Portugal”.

Como sabemos e doutos investigadores nos vêm demonstrando, a base de uma marca reside na identidade. Ora, se o conceito marca é (por força de ganhar sentido) visível, o conceito identidade não o é, e nem o tem de ser! Não tem de ser visível, mas tem de ser conhecido por quem se arroga ao saber de gerir marcas. Este é talvez o ponto mais sensível desta questão.

Aquando do debate sobre a marca “Portugal” ouvi esgrimir argumentos sobre o que é e o que deve ser esta marca, que tratamento dar, como a trabalhar, mas não ouvi falar sobre a identidade de Portugal!

Na verdade, ouvi falar dessa identidade, mas no contexto dela própria. Ouvi sábia reflexão sobre o assunto proferida e reflectida pelo Prof. Doutor Adriano Moreira num conjunto (que o assunto é demasiado vasto para um programa apenas) de programas de televisão. Pensei, ingenuamente, que aquando da discussão sobre a marca “Portugal” a base fosse esse mesmo programa ou algumas das ideias centrais nele apresentadas. Mas, não!

Assim sendo, a ideia com que fiquei é que agora, à semelhança do que no passado alguém dizia “vendo Presidentes, como vendo sabonetes”, vamos vender este país, como quem vende produtos de uma qualquer empresa!

A ideia de que, na nossa relação com as entidades públicas,  somos Clientes tem vingado na mente de alguns…já não somos cidadãos! De munícipes fomos “promovidos” a Clientes! De estudantes, passamos a clientes internos das universidades! Agora é assim que falam connosco e é assim que agora pensam em nós e é assim que agora orientam as suas estratégias de comunicação – do outro lado há sempre clientes, não importa o que de cá somos!

Seguindo estas lógicas, então tenho algumas sugestões a fazer:

Ponto 1: Faça-se um restyling (que nestas coisas temos que pôr umas palavritas em inglês, que fica sempre bem!) e acabe-se com a designação “Presidente da República”, sem passar pela de “Presidente do Conselho de Administração”, indo directamente para a designação “Chairman“;

Ponto 2: Na mesma linha fashion, passe-se de “Primeiro-ministro” para “CEO de Portugal”;

Ponto 3: À “Constituição da República” chamem-lhe “Missão e Valores”;

Ponto 4: Tendo já um cartão único sido implementado, por favor introduzam um upgrade e por cada euro pago em impostos, taxas ou pagamento de qualquer serviço público creditem na conta “Tap Vitória” 1 milha ou 1Km num cartão de fidelidade da CP (uma espécie de alargamento da gama de serviços a concretizar a ideia do “vá para fora, cá dentro”);

Ponto 5:  De “Diário da República” passemos para  intranet nacional (sim, que os boletins internos são pré-históricos!).

Enfim, aqui ficam algumas ideias para esta marca “Portugal”.

Depois, faremos umas belas tertúlias não já como cidadãos, mas como motivados e envolvidos clientes desta nação!

Susana

Paul Newman desapareceu do mundo dos vivos

Hoje o Mundo perdeu um grande Homem!

As palavras são poucas para o qualificar na sua grandeza…

Se como actor e realizador, nos deixa um legado importante, também ficamos sem o DEMOCRATA  e o FILANTROPO…

Requiescat in pace

Mundo: McCain suspende campanha, Obama recusa adiar debate

 

25.09.2008

Fonte: Público

«O impasse instalado no Congresso norte-americano a propósito do plano da Admnistração Bush para responder à crise financeira levou o candidato John McCain a suspender a sua campanha e regressar a Washington para conseguir um acordo. Os dois candidatos emitiram um comunicado, convidando os seus partidos a encontrar uma solução para o problema, uma vez que o Congresso vai suspender os trabalhos esta sexta-feira devido à campanha eleitoral. Barack Obama rejeitou, no entanto, a proposta de adiar o debate televisivo de amanhã.»

A campanha para a eleição do próximo presidente dos EUA está a assumir um impacto internacional sem precedentes.

Desta vez, todo o mundo gostaria de participar nestas eleições!

Todos sentimos que a DEMOCRACIA, O AQUECIMENTO GLOBAL, A ECONOMIA MUNDIAL,O NOSSO BEM ESTAR como cidadãos… vão ser sufragados no próximo mês de Novembro. 

Frente a frente damos de caras com duas concepções de DEMOCRACIA.

De um lado um candidato, McCain, defensor de valores conservadores, esgotados, sem soluções para os desafios do século XXI, que quer encontrar respostas no silêncio. Mas neste caso, nem o candidato acredita! Mais parece nauseado pelo efeito das suas palavras.

Do lado Obama, encontramos frescura de ideias, respostas e, sobretudo, um homem que vê no diálogo e no debate como meios para encontrar soluções alternativas…

 

Estou em acreditar que a DEMOCRACIA do sec. XXI vai reflectir-se nas próximas eleições deste país!

Estou em acreditar que se Obama ganhar, a DEMOCRACIA também vai ganhar!

 

Nós aqui nas Tertúlias VIA Latina também acreditamos no debate de ideias…

Ulisses Neves Pinto

Deco e Gasolineiras

Nas notícias de hoje, ouvi, que por cada cêntimo de aumento, as gasolineiras têm qualquer coisa como 230 milhões euros em ganhos por dia…

O Euromilhões desta semana apenas concede uns míseros 130 milhões de euros, ao felizardo que conseguir acertar nos números.

Podíamos encontrar aqui um esquema, as gasolineiras instituíam um prémio de 500 milhões de euros semanais, para o automobilista que advinhasse o dia em que o preço do combustível ia baixar  nessa semana e quantos cêntimos.

Os ganhos do Sábado e do Domingo davam-se de barato, assim os senhores 3 cêntimos poderiam ir ao IRAQUE, comprar mais petróleo!

É claro que os donos das gasolineiras e outros senhores 3 cêntimos, tinham de ficar de fora do concurso…

Podiam acertar!…

Bom, enquanto o concurso vai e não vai…Porque estas coisas demoram o seu tempo a remoer, a Deco propõe para amanhã (27/09) um dia de protesto – NADA DE LEVAR O CARRO A BEBER!

Eu estou solidário com esta acção… Pode ser que assim as leis de mercado passem a ser mais  justas para todos!

…Se todos aderirmos, quem fica a ganhar é a nossa carteirinha!

Vamos a isto…

Ulisses Neves Pinto