Monthly Archives: Outubro 2009

É a Bíblia um manual de maus costumes?

Com a mudança da hora, terminou a “silly season”, a época das brincadeiras e dos namoricos de praia.

Agora temos o dever de levar a sério, tudo o que fazemos e dizemos.

Não acho que assim tenha sido…

O escritor José Saramago, que hoje, temos alguma dificuldade em perceber, se é Português, se é espanhol, pois nasceu cá, mas vive em Espanha…

…Que nunca temos a certeza, se pensa em português, se pensa em espanhol, resolveu, no seu estilo provocatório, anunciar, que a Bíblia não passa de um repositório de maus costumes.

Por isso, esta afirmação, que fez mover montanhas, que antes estavam sossegadas, deixa-nos na dúvida se foi pensada em espanhol e depois traduzida para português, ou se pelo contrário, pensada em português e depois traduzida nas várias línguas, aqui claro, incluindo o espanhol.

Fosse como fosse, logo que as ditosas palavras saíram da sua boca, choveram “raios e coriscos”, trovejou a norte… geou a sul.

Enfim ficou tudo seco e hirto e, alguns até congelaram com tais palavras.

Não venho para aqui, defender o escritor, primeiro porque ele não precisa de mim.

Depois, porque, pobre de mim, era logo crucificado na praça pública e, quem sabe, teria ainda, direito a uma fogueirita, das que ainda sobraram da Santa Inquisição, sim, porque não foram todas utilizadas…ainda ficaram umas quantas em armazém.

Também não me apetece vir para aqui, fazer juízos de valor, pois dissesse o que dissesse, ou defendesse o que defendesse, tenho a certeza, que me fartava de dar tiros nos pés e, coisa que eu odeio, é coxear!

Pois…Se eu me pusesse aqui a dizer, que o escritor está cheio de razão e, que o que ele diz é tudo verdade, da mais pura, bem, aí…

Ai credo, meu Deus! Eu, um ateu convicto, estava a dizer, que afinal, a minha vida, a minha cultura, a minha história, não passavam de um repositório, de todos esses maus costumes?

Não seria capaz de tal HERESIA!

Mesmo que fosse verdade, eu em primeiro e, depois, todos os que se entretêm a ler estas coisas, tenho a certeza, nenhum deles, me iria perdoar.

Por isso, não me vou pôr aqui, com lérias.

Mas como vivemos em DEMOCRACIA e, a democracia é também, ter o direito, a uma opinião.

E, como também é verdade, que somos povos religiosamente tolerantes, mesmo que esta tolerância, tenha sido construída sobre piras flamejantes.

É pois, esta, a tolerância, que nos permitiu construir as sociedade ocidentais, assente, talvez nos maus costumes da Bíblia ( leia-se a bom rigor: – no Antigo Testamento).

É também, este espírito de partilha de ideias, de tolerância e, de DEMOCRACIA, que permite, a cada um de nós, a capacidade para aceitar, em concordância ou em discordância, as ideias de José Saramago.

A CIDADANIA, não é, nem pode ser, um mero repositório de ortodoxias, fundamentalismos irracionais ou simplesmente radicalismos injustificados.

Ou simplesmente, uma oportunidade, para péssimos protagonismos…

Em minha opinião, foi o que acabou, por acontecer.

Pessoalmente, nem acho que os Católicos, tenham sido especialmente visados, visto que, a parte da Bíblia a que Saramago se refere , parece ser o Antigo Testamento, que não constitui o texto fundamental, para estes crentes!

E, concordo, o Antigo Testamento traz o relato de algumas cenas, que a bem da verdade, fora do contexto histórico, poderiam ser vistas e interpretadas, como maus costumes.

Por isso, só quem não leu a Bíblia, poderia produzir afirmações, também elas, descontextualizadas.

Aliás, o que eu acho, é que alguns dos detractores, apareceram, pelo lado da ignorância, dos contextos.

Se a Bíblia deve ser lida, tendo o cuidado de não fazer interpretações literais do que está escrito, parece-me óbvio, que o mesmo princípio deve ser aplicado ao  escritor José Saramago.

Não estou certo, de que tenha sido o que aconteceu.

Se a afirmação de Saramago, permitiu que uns quantos, incluindo-me, viessem para a Praça Pública, opinar, também permitiu, que outros ( leia-se, eurodeputado Mario David), com uma necessidade de protagonismo fácil, nos premiassem, com um mau exemplo de Cidadania.

É a Bíblia um manual de maus costumes?

Na dúvida e, enquanto Ateu convicto, sobra-me a certeza, que Saramago, arrastou, sem necessidade, um conjunto de ideias, que desnecessariamente, afrontaram as crenças individuais de toda uma comunidade e, assim, escusadamente, feriu sensibilidades.

É caso para recitar: – Perdoai Senhor, aos pecadores, que no contexto do momento, têm o mau costume, de não conseguir, concentrar-se nas questões importantes, deste País.

Ulisses Neves Pinto

WordPress Tags: Bíblia,namoricos,praia,escritor,Saramago,Português,Espanha,raios,coriscos,Santa,Inquisição,juízos,Deus,cultura,história,HERESIA,DEMOCRACIA,Antigo,Testamento,CIDADANIA,radicalismos,Católicos,Praça,Pública,exemplo,Ateu,momento,País,Ulisses,Pinto,pelo

Leica em Portugal

A procura de mão-de-obra barata fez com que a empresa Leitz, produtora das câmaras Leica, instalasse uma unidade produtiva em Vila Nova de Famalicão há 36 anos.

Porquê Famalicão? Os trabalhadores da Leica tinham trabalhado na antiga fábrica de relógios Reguladora, alguns dos quais ainda se encontram nas estações de comboio. Como curiosidade, o director de produção, Bernhard Muller diz que quem sabe fazer filigrana também sabe fazer máquinas fotográficas.

Esta experiência de trabalho pesou na decisão da empresa alemã, bem como a proximidade de um colégio alemão no Porto, de uma igreja evangélica alemã e de uma igreja católica alemã. Aliás, estes factores não são bizarros se tivermos em conta que na altura vieram vinte famílias alemãs para Portugal para abrir a fábrica.

Esta unidade fabril emprega 501 trabalhadores, sendo que 40 por cento estão na Leica há mais de 20 anos.

Ana de Sousa

Maitê Proença – Como uma moreninha pode ter uns miolos loirinhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ontem, quando deambulava pela sala, na esperança de ouvir alguma notícia interessante, a minha atenção é arrebatada por uma notícia estrondosa:

Maitê Proença, resolveu colorir os miolos de loiro e para se estrear resolveu fazer este vídeo.

Não tenho dúvidas que marcou a diferença, em especial conseguiu diferenciar-se das pessoas inteligentes.

Eu até gosto da Maitê, desde o tempo em que começaram a aparecer aquelas telenovelas, onde o pessoal se conhece todo, no meio de um enredo, com umas historinhas sem nexo, já nesse tempo gostava da Maitêzinha, personagem principal destas novelas de cordel.

Enfim, parecia uma rapariguinha jeitosinhascifinewscinemaano1numero11novembro2000 por fora e, isso lá fazia com que eu arregalasse os olhos, talvez por isso nunca tenha ligado pêva às histórias das novelas!

Da Maitê, ainda fiquei com uma ideia, agora das novelas, infelizmente, não!

Pronto, a Piquena, até que era bem

(h)umorada…

Também compreendo, se se faz tanta porcaria nas novelas do Brasil, porque não teria direito a Maitêzinha a fazer a sua borradinha.

Pois foi o que aconteceu, nesta estreia mundial, como realizadora de vídeos caseiros.

Só não compreendo é a comparação com os “Gato Fedorento”, do que sei, este grupo de rapazes costuma fazer humor inteligente.

Aquele tipo humor que nós, por estas partes do Atlântico, tanto apreciamos!

Mas como o Atlântico, deve ser um rio com duas margens, estou em acreditar, que a Maitêzinha se enganou na margem e, andou a filmar as paisagens erradas…

São coisas que acontecem a quem não esteve sob a alçada da Lei da Escolaridade Obrigatória, que agora vai até aos 18 aninhos.

Mas como eu compreendo a Maitêzinha…É tão fácil confundir as coisas…quando a escola, não deve ter  passado de um momento de distracção na sua vida!

Aliás conheço cá, muita rapaziada, que lhe ensinaria bons truques, de como andar na escola, sem ir às aulas.

Pois é Maitêzinha, eu posso compreender que tenha confundido as margens do “rio”, compreendo que nem tenha dado pela diferença na língua que falamos, mas Maitêzinha, nós aqui ainda não confundimos “ação” com “acção” e preferimos Humor a “umores”….

Ulisses Neves Pinto

Psicanalista precisa-se!

Os nossos políticos precisam, urgentemente, de se sentarem ou melhor de se deitarem no divã.
Nos tempos de crise que vivemos, apregoada por todos os economistas da direita à esquerda, não conseguimos entender a obssessão doentia de alguns partidos políticos, em especial, do PSD que tanto apregoou a responsabilidade e, no momento da verdade se atira ao PS ameaçando não viabilizar o Orçamento para 2010.

Afinal, onde estão os interesses do país e dos portugueses? Na campanha o PSD não via mal nenhum num governo minoritário, até aqui nada de mal, mas como o resultado foi o contrário já não querem entrar em negociações com o governo.

É falta de bom senso e sentido de Estado.

Só vejo uma solução procurem um Psicanalista. Há muita frustação nos nossos políticos. Se calhar não fizeram muitas palhaçadas em pequeninos e, ainda, para serem alguém na vida tiveram que tirar um curso superior. Sinais dos tempos. Se fosse no século 21 esse problema não se punha, escolhiam o Chapitô ou outra qualquer escola superior e tinham a profissão adequada. Asssim, não são Palhaços de facto (com todo o respeito que a profissão e escolas me merecem), mas fazem figura de palhaços.

Ana de Sousa

Parabéns Obama – Demos voz à Esperança

Um prémio, seja ele qual for, é sempre motivo de opiniões contraditórias. Os premiados acham-no merecido os outros não. Já diz o povo: “Deus que é Deus não agrada a todos”. De facto, a mesquinhez, a inveja, a arrogância, entre outros sentimentos não deixam ver, cegam mesmo as pessoas.

Vem isto a propósito do Prémio Nobel da Paz, atribuído a Barak Obama. Com certeza que o tempo é pouco, mas se já se tivessem passados anos haveria discordâncias à mesma. Desde logo porque um prémio só premeia um indivíduo e a nivel mundial, a probabilidade de ser consensual é de todo impossível.

Da análise que fiz dos vários depoimentos a favor e contra, uma coisa eu consigo concluir, a perplexidade face a esta escolha é mais notória nos que adoram Bush e que apesar do tempo ter demonstrado o desastre que ele representou para a humanidade, continuam a defendê-lo como se nada tivesse acontecido. Destes, não posso deixar de referir o texto do Pacheco Pereira, no artigo do Público de 10 de Outubro, do qual cito: “… A diferença substancial é que, mal ou bem, Bush era temido até por ser errático e não afastar a possibilidade de retaliação militar e Obama não o é de todo. Obama é “estimado”, até ao dia em que a sua administração fique acossada e ele tenha que fazer alguma coisa após muita hesitação.” É pena que certas pessoas tão dotadas intelectualmente sejam tão pouco ou mesmo nada humildes para admitir que Bush foi mesmo um desastre.

Afinal, o mais importante em Obama é ser um político dotado de um grande carisma, espiritualidade, convicção, forma genuína de fazer política e diplomacia. E isto é que é difícil, tanto mais que só acontece com alguns, é um dom. Temos que acreditar que um estímulo, pode ajudar ao resultado final.

Em nome da Esperança que este prémio representa e, acreditando que o premiado o vai receber com a responsabilidade e humildade que o caracterizam, façamos uma onda de unidade em torno do tema A PAZ É POSSÍVEL, desde logo nos nossos corações. Não esqueçam o que aconteceu com TIMOR.

Ana de Sousa