Monthly Archives: Novembro 2009

Zeca Afonso

Nunca é de mais lembrar este grande nome da música portuguesa – compositor e cantor. O Vialatina quer prestar uma singela homenagem na passagem dos seus oitenta anos.

Nascido em Aveiro em 1929, o cidadão José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, mais conhecido por Zeca Afonso dá grandes voltas na vida. Criado
em Coimbra em ambiente fechado e religioso, só na idade adulta passa por África, onde desperta para uma necessidade de intervir e comprometer-se na mudança da sociedade.

Traz Outro Amigo Também

Amigo
Maior que o pensamento
Por essa estrada amigo vem
Por essa estrada amigo vem
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também
Em terras
Em todas as fronteiras
Seja bem vindo quem vier por bem
Se alguém houver que não queira
Trá-lo contigo também
Aqueles
Aqueles que ficaram
(Em toda a parte todo o mundo tem)
Em sonhos me visitaram
Traz outro amigo também

Ana de Sousa

Para uma reflexão

Mais uma vez partilho, neste espaço, um artigo do Anselmo Borges (padre e teólogo), com o título “Homossexualidade e casamento” publicado no dia 7 de Novembro, no Diário de Notícias.

Este texto, pode ser um bom ponto de partida para uma reflexão, mais profunda e apartidária, sobre um tema que já está por aí.

“As religiões, concretamente as monoteístas, condena(ra)m, nos seus textos, por vezes sob ameaça de morte, a homossexualidade.
Assim, lê-se no Levítico: “Se um homem coabitar sexualmente com um varão, cometeram ambos um acto abominável; serão os dois punidos com a morte”.
Mas, segundo M. Darnault, em Le monde des religions, o texto que está na base da homofobia cristã é o relato bíblico de Sodoma e Gomorra. Dois homens, enviados de Deus, chegaram a Sodoma e Lot acolheu-os pela noite, mas a população encolerizou-se: “Ainda se não tinham deitado, quando os homens da cidade rodearam a casa e chamaram Lot: ‘Onde estão os homens que entraram na tua casa esta noite? Trá-los para fora, a fim de os conhecermos.” Avançaram para arrombar a porta, mas os dois homens feriram-nos de cegueira, mandaram Lot fugir com a família e “o Senhor fez cair sobre Sodoma e Gomorra uma chuva de enxofre e de fogo”, que tudo destruiu. Aquele “a fim de os conhecermos” é um eufemismo para relações homossexuais e de Sodoma proveio sodomia.
É também sobre esta narrativa do “povo de Lot” que se apoia o Alcorão para reprovar esta “acção infame” e “torpe”. A suna prescreve a pena de morte, a maior parte das vezes por lapidação.
O fundamento da estigmatização teológica e canónica da homossexualidade, apoiada por especialistas da teologia moral, como São Tomás de Aquino, encontra-se no desenvolvimento do tema da depravação de práticas consideradas “contra a natureza”, como já São Paulo tinha escrito na Carta aos Romanos: “Foi por isso que Deus os entregou a paixões degradantes. Assim as suas mulheres trocaram as relações naturais por outras que são contra a natureza. E o mesmo acontece com os homens: deixando as relações naturais com a mulher, inflamaram-se em desejos de uns pelos outros”.
O Catecismo da Igreja Católica diz: “Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a Tradição sempre declarou que ‘os actos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados’. São contrários à lei natural, fecham o acto sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afectiva sexual, não podem, em caso algum, receber aprovação. Um número não desprezível de homens e mulheres apresenta tendências homossexuais profundas. Eles não escolhem a sua condição de homossexuais; essa condição constitui, para a maior parte deles, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta”.
Parece seguir-se o princípio da condenação do acto, não das pessoas. Também o Dalai Lama, em 2001, declarou que “a homossexualidade faz parte do que chamamos ‘uma má conduta sexual'”, rectificando depois: “Só o respeito e a atenção ao outro deveriam governar a relação do casal, hetero ou homossexual”. Na Igreja anglicana, há debates acesos por causa da ordenação de bispos gays e bênçãos de casais homossexuais.
Entretanto, em 1993, a OMS retirou a homossexualidade da sua lista de doenças mentais.
Recentemente, houve um apelo lançado por 66 países para a despenalização universal da homossexualidade a que se associou o Vaticano. Ainda bem. E não deve haver lugar para discriminação. Julgo também que não há razões para negar a comunhão a quem tem essa orientação.
O Estado deveria encontrar uma forma de união com consequências jurídicas semelhantes às dos casados. Mas, como já aqui escrevi, a questão reside em saber se há-de chamar-se-lhe casamento. O problema é mais do que religioso e as palavras não são indiferentes, pois não pode dar-se o mesmo nome ao que é diferente. Como disse o filósofo ateu Bertrand Russell, “o casamento é algo mais sério do que o prazer de duas pessoas na companhia uma da outra: é uma instituição que, através do facto de dela provirem filhos, forma parte da textura íntima da sociedade, e tem uma importância que se estende muito para além dos sentimentos pessoais do marido e da mulher”. Assim, o que a sociedade tem de resolver é se considera o casamento essa instituição ou uma mera contratualização de afectos.”

Ana de Sousa

O que se passou no Jornal Público?

A mudança anunciada do director do jornal nada teria de inédito não fosse o conteúdo dos dois últimos editoriais, o de despedida de 31 de Outubro, da responsabilidade do José Manuel Fernandes e o editorial de hoje, dia 1 de Novembro.

A saída de JMF, segundo ele, pensada desde Maio último nada tem de anormal. Afinal tem 52 anos, 11 dos quais como director do jornal, ainda, é jovem para fazer outras coisas. Até aqui tudo bem.

Do seu editorial destaco dois parágrafos:

(…)
“Pela exigência que sempre colocámos em tudo quanto fizemos, mesmo nos projectos que nunca chegaram tão longe quanto desejámos. Exigência editorial, marca de água desta casa. Mas também exigência como projecto empresarial, pois a Sonae, correctamente, nunca desistiu de conjugar o sucesso editorial com o sucesso empresarial.”
(…)
“É mesmo condição de vitalidade de uma democracia aberta ter jornais que publicam histórias incómodas, e directores que escrevem textos controversos.”

Do editorial de hoje, dia 1 de Novembro, realço os seguintes parágrafos:
(…)
“A razão de estarmos aqui hoje é anterior a tudo isso. (Referem-se aos incidentes que rodearam a última campanha para as legislativas). Mas não escamoteamos o facto de ser nossa primeira obrigação repor essa credibilidade ameaçada, conscientes que estamos da percepção pública de um excesso de peso ideológico no jornal. Acreditamos num jornalismo culto e responsável, que desafia o sensacionalismo e as agendas informativas cada vez mais estreitas.”
(…)
“Os editoriais, a partir de hoje, deixarão de ser assinados. Os editoriais expressarão o pensamento desta direcção e deste jornal sobre o mundo que procuramos descrever, compreender e analisar página a página.”
(…)
“Não queremos inflacionar as expectativas, queremos corresponder aos leitores. Sabemos que o PÚBLICO é o jornal dos leitores exigentes, curiosos e atentos, das pessoas que pensam e que querem que o seu jornal seja um instrumento para pensar mais. Os nossos leitores – 250 mil por dia – são pessoas que sabem e que querem saber mais. São os melhores – e os mais severos – leitores.”

Não posso estar mais de acordo com este último parágrafo. Votos de bom trabalho e maior isenção.

Para reflexão, deixo o último parágrafo do Cândido, de Voltaire, Pangloss dizia por vezes a Cândido:

– Todos os sucessos estão encadeados no melhor dos mundos possíveis; porque, enfim, se vós não tivésseis sido expulso de um belo castelo com grandes pontapés no traseiro por amor da menina Cunegundes, se vós não tivésseis passado pela Inquisição, se vós não percorrêsseis a América a pé, se vós não tivésseis dado um golpe de espada no barão, se vós não tivésseis perdido todos os vossos carneiros do maravilhoso Eldorado, vós não estaríeis aqui a comer os limões, doces e pistácios.

Ana de Sousa