Monthly Archives: Maio 2010

Ainda a entrevista de António José Seguro

Quer se queira, quer não, nos dias que correm, é importante termos uma voz que nos sirva de baliza perante o manancial de informações que vão surgindo nos diferentes quadrantes de opinião.

Não tenho dúvidas que a voz de António José Seguro é uma dessas referências.

No “Expresso” de 15 de Maio, muitos ficaram surpreendidos com a sua entrevista de Vida. O Homem da discrição, firme nas suas convicções e trabalhador afincado, mas até agora na sombra da alternativa, é capa da “Única”. – É agora, pensei! Já urgia!

Pessoalmente, a minha expectativa era grande, mas não fiquei surpreendido. Estava à espera dela. Confesso até que com alguma ansiedade. Era tempo de podermos comungar as suas palavras, reflectir, e se calhar imaginar que o impossível, afinal admite sempre possibilidades alternativas.

Nesta entrevista, encontrei, prazenteiro, um António (que o José e o Seguro me perdoem a falta de cerimónia!), utilizando palavras simples, sem pretensiosismo, sem “esqueletos no armário”, nos conta a sua vida e o seu intuito político de servir da melhor forma a causa pública – contrariamente ao que muitos, demasiados, têm vindo a esquecer.

Mas, verdadeiramente importantes na entrevista não são os fait-divers. O importante é o retrato traçado de um socialista que se afigura como o motor da mudança. Da mudança da sociedade portuguesa para a assumpção de outros valores, aqueles que nos vão permitir singrar. Um socialista que não esquece o seu passado, mas luta por um futuro melhor, um futuro alternativo, um futuro em que todos nós possamos encarar as dificuldades, como factos com solução.

Obrigado António José Seguro, por esta entrevista. Voltei a acreditar que ainda existem políticos, que não se esquecem que são humanos e como todos nós que como qualquer de nós, não deixa de sentir as dificuldades.

Obrigado, António, porque a crise não turva as ideias e não cala a voz de uma pessoa que, com todo o sentido de oportunidade nos diz que há alternativa, e que, creiam, é certa e segura!

 Ulisses Neves Pinto

Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento

No dia 21 de Maio comemora-se o Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento, sendo Portugal um país que vive e convive há muitos séculos com a diversidade cultural e o diálogo entre países, deixamos esta informação que nos pode ajudar a uma leitura multicultural da nossa sociedade.

Em 2008, a população estrangeira com estatuto legal de residente, em Portugal, era de 436 020.

Deste total, as nacionalidades mais representativas da população estrangeira são:

1º Brasil – 24,5 %
2º Cabo Verde – 11,7 %
3º Angola – 6,3 %
4º Guiné-Bissau – 5,5 %
5º Reino Unido – 3,5 %

As nacionalidades mais representativas da população estrangeira que solicitou estatuto de residente, em 2008 são:

1º Brasil – 45,0 %
2º Cabo Verde – 7,7 %
3º Reino Unido – 3,7 %
4º Guiné-Bissau – 3,4 %
5º Angola – 2,8 %

Fonte: INE, Estatísticas Demográficas; Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF)

Ana de Sousa

A crise

“Não pergunte o que este país pode fazer por você, mas o que você pode fazer por este país”, frase célebre de John Kennedy.

Esta frase é o mote para o desafio que nos espera.

Tem que ser o cidadão comum a tomar a iniciativa, comece já. Pegue numa folha A4, e elenque tudo o que poderá fazer, verá que pode fazer muito por si e consequentemente pelo país, mesmo que seja orientando o seu dinheiro para o essencial, colocar todos os dias uma moeda num mealheiro, é um processo antigo, mas resulta mesmo. Andar de transportes públicos, comprando cartões ou passe.

Sei que é difícil dispensar coisas que até hoje consideramos muito importantes e imprescindíveis. Como exemplo, penso no efeito telemóvel nas nossas vidas, hoje seria impossível vivermos sem ele tantos os benefícios que nos trouxe é tudo uma questão de perspectiva.

O carro, em muitos casos é mesmo “escravatura”, há 35 anos estas necessidades não existiam e, pelos vistos nem deviam existir, pois é isto tudo somado que fez de nós um país do faz de conta e, que quem vier que pague a crise. Então por que esperamos para fazer a mudança? É somente organização, parar para pensar. E de certeza vamos viver melhor, mais livres.

Ana de Sousa

Dia Internacional dos Museus

No dia 18 de Maio celebra-se o dia Internacional dos Museus, o nosso contributo para a efeméride é dar a conhecer alguns números sobre os museus.

Nº de museus

Em 2008 registaram-se 300

Em 2007 registaram-se 275

Nº de visitantes

Em 2008, o número visitantes foi de 8 382 260

Em 2007, o número visitantes foi de 6 876 218

Fonte: INE – Estatísticas da Cultura

A arte eleva o espírito e, é uma das formas de aprendermos a tolerância com o diferente.

Aproveitem os tempos livres e vão aos museus.

Ana de Sousa

Viva o Papa

Bento XVI na nunciatura apostólica de Lisboa, hoje à noite.

Um lugar para viver

De Sam Mendes, realizador de «Beleza Americana» e «Revolutionary Road».

É recorrente nos filmes de Sam Mendes a problemática sobre a família, mas quase sempre tratada de uma de forma muito deprimente e sem futuro. Um lugar para viver, interpretado por actores pouco conhecidos, leva-nos a concluir com Burt e Verona que a felicidade não está no sítio onde se vive ou onde se procura viver mas, tão somente, no casal.

Pelo meio desta “aventura” são visitados velhos amigos e familiares, lugares distantes e outras tantas formas de vida, é-nos mostrado o que de mais excêntrico existe na sociedade em termos de modelos familiares e, é nesta busca e desencanto que o casal descobre o segredo que há neles: o amor que os une e o projecto de vida que querem para eles e para o filho que vem a caminho.

Aconselho.

Ana de Sousa