Category Archives: Social

Maitê Proença – Como uma moreninha pode ter uns miolos loirinhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ontem, quando deambulava pela sala, na esperança de ouvir alguma notícia interessante, a minha atenção é arrebatada por uma notícia estrondosa:

Maitê Proença, resolveu colorir os miolos de loiro e para se estrear resolveu fazer este vídeo.

Não tenho dúvidas que marcou a diferença, em especial conseguiu diferenciar-se das pessoas inteligentes.

Eu até gosto da Maitê, desde o tempo em que começaram a aparecer aquelas telenovelas, onde o pessoal se conhece todo, no meio de um enredo, com umas historinhas sem nexo, já nesse tempo gostava da Maitêzinha, personagem principal destas novelas de cordel.

Enfim, parecia uma rapariguinha jeitosinhascifinewscinemaano1numero11novembro2000 por fora e, isso lá fazia com que eu arregalasse os olhos, talvez por isso nunca tenha ligado pêva às histórias das novelas!

Da Maitê, ainda fiquei com uma ideia, agora das novelas, infelizmente, não!

Pronto, a Piquena, até que era bem

(h)umorada…

Também compreendo, se se faz tanta porcaria nas novelas do Brasil, porque não teria direito a Maitêzinha a fazer a sua borradinha.

Pois foi o que aconteceu, nesta estreia mundial, como realizadora de vídeos caseiros.

Só não compreendo é a comparação com os “Gato Fedorento”, do que sei, este grupo de rapazes costuma fazer humor inteligente.

Aquele tipo humor que nós, por estas partes do Atlântico, tanto apreciamos!

Mas como o Atlântico, deve ser um rio com duas margens, estou em acreditar, que a Maitêzinha se enganou na margem e, andou a filmar as paisagens erradas…

São coisas que acontecem a quem não esteve sob a alçada da Lei da Escolaridade Obrigatória, que agora vai até aos 18 aninhos.

Mas como eu compreendo a Maitêzinha…É tão fácil confundir as coisas…quando a escola, não deve ter  passado de um momento de distracção na sua vida!

Aliás conheço cá, muita rapaziada, que lhe ensinaria bons truques, de como andar na escola, sem ir às aulas.

Pois é Maitêzinha, eu posso compreender que tenha confundido as margens do “rio”, compreendo que nem tenha dado pela diferença na língua que falamos, mas Maitêzinha, nós aqui ainda não confundimos “ação” com “acção” e preferimos Humor a “umores”….

Ulisses Neves Pinto

Anúncios

Petróllio, Petrólio ou Petróleo? – Uma Nova Aposta de Acordo Ortográfico!

ortodedosNão sei qual foi a versão que em definitivo, ficou plasmada no novo Acordo Ortográfico.

O tal, que ninguém sabe ao certo, quando entra em vigor, isto se levarmos a sério o Ministério da Educação e o Ministério da Ciência.

Mas para mim isso é irrelevante!

…Não passam de favas contadas!

No outro dia ( por acaso foi hoje, mas também quem se importa com isso?), dei-me conta que eu e o meu computador constituíamos um grupo linguístico minoritário.

O meu computador é daqueles que tem as teclas muito juntas…Acho que nunca usou aparelho!

Eu por outro lado tenho um conjunto de dedos que descambam sempre para a tecla errada.

Como grupo minoritário, temos direito à diferença…

Por isso propomos que a palavra “Petróllio” seja introduzida no nosso léxico…Podem continuar a lê-la como “Petróleo”, a parte sonora da palavra mantém-se!acordo_ortografico_tdg1

Como o descambar de dedos se vai agravar, em especial com a idade, proporemos ( o meu grupo minoritário), sucessivas alterações ao Acordo, de forma a que se possa manter actualizado…Ou será atualizado!?

Entretanto, agradecemos outros contributos, de forma a enriquecer este Acordo Ortográfico dos Dedos Descambados!

Como a gente a falar, nem dava pela diferença, sempre podíamos concorrer com o Acordo Ortográfico do Português!

 

Ulisses Neves Pinto

Salazar Marialva, ou o equívoco da História!

África Today Online – “Massacres em África” de Felícia Cabrita.

Uma das poucas vezes que dei a minha atenção a Felícia Cabrita foi há uns poucos de anos atrás, no que hoje conhecemos como o ” Processo Casa Pia”.felicia

Não que seja fã ou adepto da sua escrita mas, porque associado à sua figura curiosa, simpatizei com com o seu inconformismo, projectado no seu papel de descolorir uma das fotografias sordidas e cinzentas da nossa história social.

Mas a expectativa, também deu lugar ao descrédito, pois tudo o que é demais também cansa…

…Por isso, também rápidamente no meu imaginário deixou de existir a Felícia Cabrita…Sem juízos de valor!

Para mim a Internet, é um fenómeno que dura à 14 anos…mais coisa, menos coisa!

Como no princípio dos princípios (para mim, claro!), as palavras eram medidas ao caracter e, as imagens eram um bom exercício da imaginação.

No tempo em que o que mais próximo que encontrava da minha língua, era o espanhol.

…No tempo em que uma das diversões nos diferentes foruns, era falar espanhol, pois danava “Amaricanos”…E fazia as delícias de Hispânicos!

…Desde esse tempo que um dos meus vícios é deixar a minha alma vogar por este mundo virtual…

…Sem destino…

…Sem objectivo….

…Sem critério!

Apenas, deixar-me levar pelas correntes e pelas ondas!

Ainda hoje faço isso…

…E, é nessas viagens de descoberta, do acaso, que encontro as coisas mais curiosas e, até inconcebíveis, que um qualquer ser humano como eu, pode encontrar e até entender!

… E foi assim, que sem querer, voltei a encontrar a Felícia! 

Não…Não encontrei a Felícia num bar e muito menos passei a noite a falar com ela!

Encontrei dois títulos…

…Dois títulos que me despertaram a curiosidade:

” Massacres em Àfrica” e

” Mulheres de Salazar”

Confesso que não li nem um, nem outro!

Como não sou crítico literário, espero estar desculpado!

Sobre o primeiro tema, ainda li alguns excertos…Num Forum de saudosistas do regime, que a exemplo de outros (como por exemplo os Nazis alemães), querem fazer-nos acreditar que a história é um equívoco!

Se calhar ambos os títulos, são eles também um equívoco da história.

Não sendo demasiado velho, pelo menos ainda tenho os sentidos todos a trabalhar, sou do tempo de ambos os acontecimentos!

…O primeiro tema, nem sequer é inédito… No meu tempo de estudante, existia na biblioteca escolar, um livro que falava sobre estes acontecimentos! – Confesso que já não me lembro do nome…

De uma forma horrenda diga-se…

E se olharmos pela luneta da parcialidade, não tenho dúvidas da injustificabilidades dos actos!

Costuma-se falar das águas do rio, que tudo levam pela frente, mas poucos se lembram das margens que o comprimem. ( Brecht adaptado)

Se os acontecimentos foram brutais…Vive no nosso esquecimento a brutalidade que os provocou.

Seria interessante conhecer Angola até 61 e como se vivia.

Seria interessante saber como funcionavam as roças de café!

Seria interessante saber como eram engajados “os negros do sul”!

Seria interessante conhecer a mentalidade das margens, que provocaram aquele rio de revolta!

Talvez, por isso, o José Lello não se sinta arrependido!

…E, eu, estou à vontade para falar, porque também deixei lá carne, da minha carne!

O segundo título deixou-me estupefacto!

Confesso que fiquei baralhado com o ditador!

Durante o tempo que vivi no regime, nunca me preocupou muito, quais as apetências sexuais do homem.

Preocupou-me, sempre mais, o Campo de S. Nicolau, que era uma espécie de condomínio fechado, para onde iam os tipos da UPA e mais tarde FNLA!

Os do MPLA, eram sempre muito desastrados e, constava, que caiam dos aviões ( acho que tinham a mania de tropeçar!…) ou então perdiam-se pelo caminho!

O hábito dos desaparecidos, desaparecerem mesmo, já vem daquele tempo!

Bem, por um motivo, ou por outro, os azarentos não chegavam a S. Nicolau!

Também me preocupava o Tarrafal!tarrafal-praia

Naquele tempo, constava que era o único solário de serviço!

O negócio estava ainda no princípio!

Mas aquilo logo que abriu, teve logo muito movimento… Aquilo era só candidatos para a frigideira!

presosE lá iam todos cantando e rindo…

Todos contentes e felizes da vida…

 

 

Atão…Afinal o Ditador, não era ditador, era Marialva!salazar

 

Malvado Vício!

Vou ter que o largar, não vá ainda  descobrir que o mundo é quadrado e, o Universo é uma miragem!

Ulisses Pinto

Nino Vieira, ou a apologia da BARBÁRIE.

Ao longo dos últimos 30 anos de vida como estado independente, a Guiné-Bissau tem vivido entre golpe de estado e golpe de estado! No meio, sem dúvida, que Nino Vieira foi um dos construtores daquela frágil DEMOCRACIA!

Mas…

” “Nino” Vieira foi brutalmente espancado antes de ser morto

 

Ontem

Um médico legista que participou na autópsia do corpo do Presidente guineense, João Bernardo “Nino” Vieira, afirmou que o chefe de Estado foi brutalmente espancado antes de ser morto a tiro.

“Nino Vieira foi morto com vários tiros no tórax e na face e o seu corpo tem marcas de golpes violentos. Ele foi brutalmenteespancado antes de ser atingido por inúmeras balas”, declarou o médico à AFP, que pediu anonimato e não fez outros comentários. O Presidente da Guiné-Bissau foi morto por militares na segunda-feira durante um ataque à sua residência, depois de no domingo o chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas do país, o general Tagmé Na Waié, ter sido assassinado num atentado à bomba.” …E perante uma notícia destas, questionamo-nos se os Bárbaros não são coisas dos tempos dos Romanos? Com este atentado, ficamos a saber que no mundo ainda existem seres, que não podem ser qualificados de Humanos! Ficamos a saber que a Guiné-Bissau perdeu uma oportunidade de mostrar que ali poderia haver uma DEMOCRACIA, onde os DIREITOS HUMANOS poderiam ser respeitados!
PROTESTO, mesmo não me identificando com Nino Vieira! 
 
Ulisses Neves Pinto

Gestão Democrática ou o Diabo de uma gestão?

 

LogoPublico“Margarida Moreira acata decisão
27.02.2009 – 22h25 Graça Barbosa Ribeiro
A responsável pela Direcção Regional de Educação do Norte, Margarida Moreira, afirmou hoje, em declarações ao PÚBLICO, que vai acatar a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Mirandela (TAFM), que determinou a realização de eleições para o Conselho Executivo da Escola da Secundária Araújo Correia, em Peso da Régua.  

De acordo com Catarina Moreira, a advogada que representa o professor que há anos trava um braço de ferro com a DREN, “a sentença tem uma estrutura pouco habitual”. Mas, ainda assim, frisa, “é muito claro que, se a DREN não cumprisse o determinado, seria aplicada aos membros do Conselho Transitório da escola e, em última análise, à ministra da Educação, uma sanção pecuniária não inferior a dez por cento do maior salário mínimo nacional” (o que corresponde a 45 euros) por cada dia de atraso.”

Não vou fazer juízos de valor, sobre o alcance desta decisão.
Se noutras situações, a justiça se tem mostrado lenta e inepta para resolver alguns casos mediáticos, neste caso dou-lhe o meu aplauso!
Com esta decisão, ficamos a saber, que afinal, em DEMOCRACIA, as REFORMAS, também obedecem ao princípio da legalidade.
Pensar de maneira diferente, será retroceder 70 anos e…
… Imaginar que o Primeiro Ministro, afinal era o Presidente do Conselho…
…e que não se chamava Sócrates!
Ainda bem, que o sonho de uns, não é a realidade de todos nós!
Ulisses Neves Pinto
 
 

 

A Verdadeira SARA PALIN

A Responsabilidade Social Empresarial e a ética

O artigo de hoje de Sarsfield Cabral no jornal “Público” com o título “Ética e mercado” fez-me lembrar o que a propósito da Responsabilidade Social Empresarial em tempos escrevi:

“(…) Seja qual for a forma como sistematizamos esta responsabilidade das organizações perante a sociedade, parece consensual, entre os autores, que as organizações não são vista pelos públicos apenas como sistemas económicos, mas também como sistemas sociais e como tal têm responsabilidades para com a sociedade. Assim, todas as organizações são responsáveis pelos impactos que a sua actividade provoca nos cidadãos enquanto seres individualmente considerados, na sociedade e no meio ambiente.

 

Esta ideia de responsabilidade pelos impactos provocados pela acção das organizações compreende uma noção de organização como sistema composto por sub-sistemas, logo a responsabilidade pelo bem-estar financeiro, físico e psicológico dos colaboradores directos. Assim, a concretização da responsabilidade social corporativa passa pelo interior da organização: equidade nos sistemas de remuneração e benefícios entre diferentes linhas hierárquicas; equidade nas oportunidades de progressão na carreira sem diferenciação quanto ao género, idade ou deficiência; justeza face ao trabalho desenvolvido versus remuneração (aqui surge com particular relevância o uso de estagiários não remunerados); preocupação com o nível de saúde que se vive na organização (cumprindo as obrigações legais de medicina no trabalho, mas também reflectir sobre o impacto do número de horas de trabalho, stress e condições físicas de desenvolvimento desse trabalho); respeito pela noção de família dos seus colaboradores e ainda o estímulo às relações interpessoais que não se resumam ao uso dos meios electrónicos como forma de as concretizar.

Não se pretende com esta enumeração ser exaustivo nas formas de concretizar a responsabilidade social corporativa no interior das organizações, mas tão só ilustrar situações possíveis para que melhor se clarifique a ideia subjacente a este conceito.

 

O mesmo poderemos fazer em termos de responsabilidade social corporativa face ao meio que envolve a orgnização. Preocupações com o meio ambiente; respeito pelo sistema legal, como pagamento de impostos e outras contribuições sociais; gestão cuidada dos recursos do planeta; solidariedade e voluntariado; filantropia e, claro, com as grandes causas da humanidade, tão bem espelhadas na iniciativa do anterior Secretário-geral da ONU, Kofi Annan, naquilo que ficou designado por “Objectivos do milénio” ou ainda no “Global Compact”, ainda que em muitos casos se possa tão simplemente transpor para uma dimensão mais nacional estes objectivos. (…)”

 

Susana